Rumores recentes apontam no sentido de a Apple estar a desenvolver nova tecnologia que fará com que estes relógios sejam… nossos melhores amigos. Mas como assim “melhores amigos”?!

Foi lançado em 2014 e desde aí tem sido trabalhado de forma muito interessante pela Apple. Neste caso não foram propriamente early adopters, nem se pode dizer que tenham sido dos primeiros a criar um relógio digital com conectividade. Mas pode afirmar-se seguramente que nessa categoria o Apple Watch é, neste momento, o rei incontestado. E não há mesmo outra forma melhor para confirmar a sua popularidade do que olhar para os números de vendas. Em 2019, a Apple vendeu mais de 31 milhões de unidades – números que fizeram com que a gigante norte-americana tenha vendido mais relógios do que toda a indústria “Swiss Made” junta (incluindo marcas como Rolex, Omega, Tissot, Swatch, entre muitas outras). Estes resultados são, no fundo, a afirmação definitiva do Apple Watch enquanto relógio, e não apenas como mais um gadget.

Agora, a Apple parece querer começar a focar-se ainda mais nas funcionalidades utilitárias e ligadas à área da saúde. Segundo os rumores mais recentes vindos dos Estados Unidos, a empresa está a desenvolver tecnologia que fará, dentro de algum tempo, com que o Apple Watch possa ser um dos nossos melhores amigos. E porquê?! Porque para além de conseguir determinar o ritmo do batimento cardíaco e fazer algumas sugestões (já acontece actualmente), estão a trabalhar no sentido de vir a ser possível que o Apple Watch detete os primeiros sinais de stress ou pânico que possamos estar a sentir, e nos ajude a ultrapassar esses estados com alguns exercícios práticos.

Apesar de ainda não ser certo que esta tecnologia integre as próximas edições do Apple Watch, estes rumores chegam-nos através do conhecido canal de YouTube Everything Apple Pro, que normalmente… acerta quase sempre quando faz previsões sobre os próximos produtos a ser lançados pela marca.

Outras novas funcionalidades estarão na calha para os próximos relógios, como o leitor de impressões digitais (provavelmente na coroa) e o melhoramento da integração da Siri no dispositivo.