Ricardo Pereira, Oceana Basílio e Nuno Pardal são alguns dos nomes que fazem parte do elenco deste novo filme do realizador Vicente Alves do Ó. Mas o mais importante é mesmo a ideia por trás deste “Golpe de sol”: contrariar a lógica do cinema padronizado de Hollywood e contar uma história diferente, que não tem necessariamente um drama no início e um momento feliz para todos no final. Estreou ontem nos cinemas portugueses e por estes motivos que vos contamos abaixo é uma sugestão ‘Pela Fechadura!

A OBRA QUE FALA POR SI

Depois de “Florbela” (2012), “Al Berto” (2017) e, mais recentemente, “Quero-te Tanto” (2019), Vicente Alves do Ó lançou-se numa nova aventura: criar um filme português com uma narrativa própria, mais real, humana e consequente. Já depois de vermos este filme, podemos confirmar que o conseguiu. Em toda a sua duração nos vamos identificando, a espaços, com o contexto de cada um dos personagens, fazendo com que transportemos as emoções que temos na memória para o momento em que vemos o filme, dando-lhe muito mais força.

O elenco pareceu-nos em fit perfeito com a ideia e mensagens do filme mas, na verdade, onde sentimos que está grande parte do valor é na diferenciação na forma como a história é contada. Esta aborda o importante tema LGBT sem recorrer a clichés nem discursos de plástico, sendo muitíssimo bem escrita.

Vicente Alves do Ó tem habituado o público a obras que têm sempre o seu cunho e esse parece de facto continuar a ser o seu maior trunfo. Este “Golpe de Sorte” que está agora disponível nas salas de cinema portuguesas é só mais uma prova do seu importante trabalho até agora.