A noite de ontem trouxe-nos rumores inesperados sobre o futuro de Cristiano Ronaldo. E se por um lado uns falavam na possibilidade real de transferência para um novo clube, outros apontavam ao regresso do melhor do mundo a um clube onde foi muito feliz. Ambos os clubes podem oferecer muito ao craque português, mas um deles estará mais perto de dar condições para a conquista da sempre tão ambicionada Liga dos Campeões!

O MOMENTO DA JUVENTUS

Um dos factores que fará certamente com que Ronaldo equacione uma transferência é o facto de a Juventus não estar num grande momento, em que possa propriamente discutir a conquista da Champions de igual para igual com os tubarões europeus como o Bayern de Munique, Liverpool e Manchester City.

Depois da primeira época do CR7 na Juventus, em que a equipa chegou até às meias-finais (depois de uma batalha épica com o Atlético de Madrid nos oitavos-de-final), a capacidade para vencer na Europa parece ter diminuído. A troca do treinador Massimiliano Allegri parece não ter ajudado e nem Sarri na época passada nem Pirlo este ano deram sinais de poder alterar o destino de curto-prazo da equipa.

UM NOVO CAMPEONATO OU O REGRESSO A CASA?

Na noite de ontem dois cenários surgiram anunciados, por diferentes fontes, para Cristiano Ronaldo. O jornalista italiano Tancredi Palmieri, especializado no mercado de transferências e que normalmente pouco falha, anunciou que estão em curso negociações para uma transferência para… o Paris Saint-Germain. Num negócio que levaria ainda Neymar para o clube de Turim.

Por outro lado, o portal inglês Sports Bible fala num possível regresso do português a Manchester, para vestir novamente a camisola do United. Também o jornalista desportivo Chris Martin dá conta desta hipótese, deixando no ar que Ronaldo está a analisar a proposta – e que a Juventus negocia-lo ia, caso fosse a vontade do jogador.

Com qualquer que seja a camisola, sabemos uma coisa: Cristiano Ronaldo, mesmo agora com 35 anos, nunca abdicará de lutar por todos os títulos que a equipa possa disputar. E isso é um dos factores que faz dele um dos melhores da história do futebol.