Aconteceu ontem em pleno Parque dos Príncipes, em Paris, um daqueles momentos que vai estar marcado para sempre na história do futebol: um jogo da mais prestigiada competição de clubes do mundo – a Liga dos Campeões – foi interrompido e as duas equipas recusaram-se de imediato a continuar a jogar naquelas condições. Ontem o racismo não venceu… e o futebol ganhou com isso!

Muitos tristes episódios depois, finalmente aconteceu aquilo que tantos adeptos do futebol – dos verdadeiros, sem barreiras nem preconceitos – desejavam: um jogo de alto nível e impacto mediático foi interrompido sem voltar atrás, depois de um episódio que provou que o racismo deve ser uma luta de todos os dias. Foi durante o jogo que opôs o Paris Saint-Germain ao Basaksehir, de Instambul. Jogava-se o minuto 13 quando o quarto árbitro se derigiu ao árbitro principal do jogo, identificando um membro do banco de suplentes da equipa turca mencionado a cor da pele. Até à data em que escrevemos este texto não há qualquer registo de vídeo ou som do momento exacto em que isto aconteceu, que nos possa esclarecer a 100% sobre o que foi dito pelo quarto árbitro. Mas há um momento em que o referido árbitro se tenta explicar ao delegado da UEFA, e em que podemos perceber que o próprio admite ter-se referido à cor da pele do treinador-adjunto do Basaksehir, Pierre Webo.

DOIS MOMENTOS QUE MARCAM

De toda a confusão, que durou largos minutos do relvado, queremos destacar dois momentos importantíssimos. Em primeiro lugar, aquele em que Demba Ba se dirigiu a Constantin Coltescu, o quarto árbitro da polémica, e lhe explicou exactamente o problema das suas palavras.

O segundo momento digno de destaque foi aquele em que, enquanto os jogadores e staff do clube turco se queixavam do que tinha acabado de acontecer, Mbappé e Neymar se mostraram solidários com a situação e deram claros sinais de que era inadmissível. Esta posição acabou por fazer com que as duas equipas voltassem aos balneários sem que o jogo continuasse, e foi corroborada posteriormente até nas redes sociais pelos depois clubes.

A continuação do jogo foi assim adiada para hoje, com início às 17:55. (hora portuguesa).

Moral da história?! Ontem o racismo não venceu. E o futebol ganhou muito com isso.