Créditos: Reuters

Um ano, mais de 118 milhões de casos detectados e mais de 2,6 milhões de óbitos depois, já ninguém tem dúvida nenhuma sobre o facto de estarmos a viver uma grande guerra contra um adversário invisível.  Por agora todos fazemos balanços e percebemos que perdemos muito… embora também tenhamos aprendido bastante.  Esquecendo o horror dos hospitais e cemitérios, fazemos o nosso balanço com imagens que marcam por espelharem a tristeza de tantas e tantas ruas sem gente.

O DESERTO NOS QUATRO CANTOS DO MUNDO

Este será recordado por muitos de nós como um dos piores anos da nossa vida. Ficámos privados de quase tudo aquilo que nos alimenta o espírito: o convívio com familiares e amigos, férias sem restrições, e pior ainda, em muitos casos, de trabalho e de voltar a ver pessoas de que gostamos muito.

Acrescentando a tudo isto, ficámos também sem a liberdade de poder sair à rua quando queremos, para fazer o que queremos. Há muitas imagens que definem este ano, mas esquecemos as mais duras e espreitamos apenas as que impressionam pela raridade: as de ruas emblemáticas completamente desertas, um pouco por todo o globo.

LONDRES, INGLATERRA

Créditos: www.intelligenttransport.co

NOVA IORQUE, ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Créditos: GETTY IMAGES

WUHAN, CHINA

Créditos: www.ctvnews.ca

LISBOA, PORTUGAL

Créditos: Lusa

TOKYO, JAPÃO

Créditos: BBC

VENEZA, ITÁLIA

Créditos: John Brunton

BUENOS AIRES, ARGENTINA

Créditos: www.globalcapital.com