A ATRIBULADA VIAGEM À SARDENHA…!

As Caraíbas da Europa. Foi assim que me descreveram pela primeira vez a Sardenha. E logo aí fiquei curioso e a pensar que talvez um dia devesse mesmo viajar para lá para comprová-lo. Esse dia chegou na semana passada e marcou o início de uma viagem… no mínimo atribulada! Vou contar-vos tudo agora. Preparados? 😉


O ROTEIRO!

DIA 1 – Segunda-feira, dia 8 de Julho

O início da semana foi passado a embarcar nesta aventura. Voámos de Lisboa para Madrid logo pela manhã e depois de Madrid para a Sardenha (tomem nota pois penso que já exista um voo directo… coisa que só descobri depois de já ter tudo marcado 😅). Ao chegar, eu e a Inês percebemos duas coisas: “ok, está muito calor, o que é bom!” e “o quê?! não temos carro?!?!”. Se o primeiro pensamento era positivo, o segundo era terrível: tínhamos alugado o carro via internet ainda aqui em Lisboa e inclusivamente feito o pagamento – tudo mais do que certinho… e olhem que é raro, da minha parte!! Teoricamente seria chegar, assinar uns papéis, pegar na chave e sair em direcção ao hotel. Mas… não foi nada disso que aconteceu. Incrivelmente, parece que nesta altura do ano a coisa mais normal do mundo no aeroporto de Olbia é os turistas esperarem horas a fio porque (aparentemente) o sistema informático é… lento. Sim!!!! E portanto imaginem o estado de nervos em que turistas dos quatro cantos do mundo estavam, enfiados em salas durante horas… (eu incluído!). Ainda por cima a Sardenha é um destino em que ter carro é fundamental… os vários pontos que tínhamos definido para visitar eram muitas vezes longe do hotel e queríamos estar independentes de transportes públicos, se é que existem!

Só depois de três horas de muita discussão é que conseguimos desbloquear a situação. Quando finalmente chegámos ao carro respirámos fundo e pensámos: “ok, já está ultrapassado, vamos lá relaxar e aproveitar!”. Uma hora de viagem depois chegámos e o hotel “La Coluccia” era… incrível! Melhor até do que nos tinha parecido em fotografias. A tarde já ia longa mas não resistimos a um primeiro mergulho no mar da praia semi-privada do hotel. Se estava calor perto das 21:00h? A resposta é sim. Boa temperatura da água? Sem dúvida! Este seria um excelente fim de primeiro dia… mas ainda havia mais aventura pela frente. Depois de jantarmos no restaurante do hotel (que fica já em cima da praia), íamos a sair em direcção ao nosso quarto eis senão quando… vem de lá disparado o chefe de sala a gritar para não saírmos! O que se passava…?! A zona à volta do restaurante foi invadida por javalis… que segundo os responsáveis do hotel atacam as pessoas e são mesmo perigosos. Como imaginam, foi um momento muito curioso e até engraçado – daqueles que vamos contar à mesa até sermos velhinhos 🙂

DIA 2 – Terça-feira, dia 9 de Julho

Acordámos entusiasmados com o final do dia anterior até que abrimos as cortinas do quarto e… chuva. Muita chuva mesmo! E vento. Passámos a manhã a conhecer melhor o hotel – à espera que a chuva parasse mas não havia meio de parar – e logo ao início da tarde decidimos: “vamos começar o nosso roteiro faça chuva ou faça sol!”. Seguimos então para conhecer uma das melhores praias da Sardenha: Spiaggia Del Principe. Apesar do muito calor, a chuva não parava e nem o sol mostrava todo o ar da sua graça – estava um daqueles dias chatos!

Percebemos que a praia seria muito bonita mas estávamos off mood por causa do clima. Ficámos por lá talvez uma hora e depois seguimos para Porto Cervo, outro dos ícones dos guias turísticos da zona. Gostámos muito do local em si, das duas marinas e de todo o ambiente pitoresco mas de luxo! E sentimos pela primeira vez que a fama de ser uma zona caríssima fazia sentido: sentámo-nos num restaurante para um almoço tardio e comemos uma massa e bebemos um sumo de frutas da época. Agora prestem bem atenção. Nem sei se estou preparado para escrever isto. Bom. Cá vai! Só o sumo… custou… 25 euros. Sim, vinte-e-cinco-euros!

De facto era delicioso, mas até sofremos quando chegou a conta…! Mais um percalço… mais uma história para contar 🙂

No caminho de regresso ao Hotel vimos que passaríamos por Spiaggia Rena Bianca (outra das muitas marcadas no nosso roteiro personalizado) e fizemos o desvio.

Demos um mergulho que nos soube pela vida – estava muito calor mesmo, apesar do dia estranho! – e continuamos seguimos caminho até La Coluccia. Depois de um banho e de vestir roupa fresca saímos para jantar em Santa Teresa di Gallura, num restaurante típico italiano chamado “Azzurra” que tinha umas pizzas muuuuito boas. ‘Um ponto para a Itália 😉

DIA 3 – Quarta-feira, dia 10 de Julho

Depois de mixed feelings em relação aos dias anteriores – onde houve espaço para tudo, bons momentos mas um clima que deixou muito a desejar – acordámos decididos: “Ok chega de contratempos, agora vai ter que correr tudo bem!!”. O sol ainda não brilhava como sonhámos mas paciência. O destino era La Pelosa, em Stintino Sassari, e era longe do hotel, a praticamente 2 horas de caminho! Mas mal chegámos tivemos um momento “WOW”. Vimos finalmente o mar azul turquesa incrível de que toda a gente fala e que procurávamos já desde que chegámos 😉

Passámos lá grande parte do dia e voltámos a jantar num restaurante tipicamente italiano, bem no cimo da da praia, com uma vista incrível. Apontem: Chameleon Clubbing. Vale a pena! Desta vez uma pasta deliciosa. Em Itália… é o verdadeiro clássico a cumprir, até porque regra geral são sempre óptimas!

Depois disso, mais uma hora de viagem até ao hotel. Como vêem… não alugar carro não é uma opção…!

DIA 4 – Quinta-feira, dia 11 de Julho

Para este dia guardámos aquilo que achávamos que era o melhor da Sardenha e que tanto tínhamos ouvido falar: o arquipélago de La Maddalena. E os astros pareciam alinhar-se para nos dar finalmente um dia de sonho: havia sol e calor! Tentámos alugar um barco para irmos ver as praias destas ilhas – algo que já tínhamos feito em Menorca e que aconselhamos porque é sempre uma aventura – mas já não havia nada disponível e por isso acabámos por optar pelo ferry boat. Já em La Maddalena vimos várias praias daquelas “tipo postal”. Andámos a conhecê-las, de carro (sim, podem levar o carro no ferry!) e a aproveitar o mar, que de facto não tem comparação com nenhum outro na Europa. Quer na cor quer na transparência! 😎

O final do dia foi marcado por mais uma viagem relativamente longa para voltar ao hotel. E outra ainda para ir jantar a Porto Cervo – que queríamos conhecer à noite e valeu bem a pena. Tem muita animação e o glamour que se espera da noite da Sardenha!

Foram muitas viagens… mas como o dia tinha corrido tão bem face aos anteriores, já estávamos muito mais entusiasmados e até começámos logo no caminho a desenhar o dia seguinte! 👌

DIA 5 – Sexta-feira, dia 12 de Julho

…Lembram-se que tínhamos tentado andar de barco mas não conseguimos? Pois é. Isto ficou-nos na cabeça e mal acordámos falámos em tentar novamente. Mas infelizmente… voltámos a não conseguir. Apesar do sol e calor estarem novamente connosco… o vento tinha piorado e disseram-nos que não era seguro fazermos a viagem sozinhos no barco. Voltáaaaaamos então ao ferry boat e com a esperança de que já em La Maddalena nos deixassem alugar um barquinho para dar umas voltinhas mais pequenas. Surpresa das surpresas: voltaram a não nos deixar ir sozinhos mas havia um skipper (responsável pela segurança do barco em viagem) disponível para fazer o percurso connosco.

O que podia ter sido uma viagem absolutamente paradisíaca e relaxante… foi novamente uma aventura… de adrenalina máxima! Muito atribulada. O mar estava mesmo muito picado e não foi nada fácil para o skipper controlar o barco. Se havia pessoa com conhecimento de mar, era o Luís. Ele tinha 14 anos de marinha mercante e mesmo assim estava com dificuldades, por isso imaginem!! Chegou ao ponto de ficarmos mesmo com medo do que nos pudesse acontecer… mas felizmente foram só os sustos e uma molha gigante, como nunca vista. Estávamos os dois completamente ensopados da ponta dos cabelos à ponta dos dedos dos pés, tal não eram as ondas. Sim, maiores do que o barco. Serviu para o susto! 🙂

Apesar das peripécias ainda conseguimos dar alguns mergulhos em zonas incríveis e de acesso impossível sem barco!

E mesmo não tendo conseguido visitar algumas das praias que tínhamos definido, conseguimos passar bem perto de quase todas e perceber o seu encanto: Spiaggia di Cala Corsara e Spiaggia de Cala Coticcio são os melhores exemplos. Também Spiaggia Rosa era um dos nossos must see, por ser uma praia única no mundo, em que a areia tem tons rosados e no mar há golfinhos a nadar praticamente a toda a hora do dia! No entanto, esta última está interdita. Só pode ser vista do barco.

DIA 6 – Sábado, dia 13 de Julho

Dia de vir embora. É sempre aquele dia agridoce… que na verdade é mais “agri” do que “doce”. A viagem desta vez foi via Barcelona e quando finalmente chegámos a Lisboa… tínhamos outra viagem à espera, desta vez de carro, e em direcção…….. ao destino seguinte – e sobre o qual vos conto em breve!

…E bem precisávamos, de férias das férias. Apesar da Sardenha ser uma zona muito bonita, com praias únicas e uma classe acima da média (assim como os preços de tudo! 🙂 ) confesso que não ficámos impressionados. Também tivemos azar com o tempo, claro… e talvez isso condicione a nossa opinião.

Valeram pelos outros os muitos muitos momentos bons passados na companhia certa e a viver mais uma experiência para mais tarde recordar! 🙂 Moral da história? Quando umas férias muito aguardadas (e planeadas) ficam um pouco à quem das expectativas… NÃO tem problema. Mais virão! Fica a experiência e faço já mais um check no mapa.

JM.