DESCOBRI SABOR E MEMÓRIA NUM SÓ RESTAURANTE!

Fui surpreendido por um restaurante em que o sabor e a memória andam de mãos dadas. Com um ambiente simples mas moderno, consegue transportar-nos no tempo para todas aquelas refeições genuínas que fizemos em família. A não perder, em Odivelas!

A azáfama do dia-a-dia não tem só aspectos negativos. Há alguns dias perdi-me em Odivelas depois de uma reunião de trabalho e já bem perto das 13:00. Ponderei usar o GPS simplesmente para voltar ao meu caminho mas… decidi arriscar! Procurei informações sobre restaurantes na zona e, bem perto de onde eu estava perdido, encontrei este de que vos escrevo. Olhando para a porta desconfiei… mas mesmo assim entrei!

O “Tacho da Memória” (já vão perceber que este nome é perfeito!) é um restaurante capaz de nos surpreender pela carta simples mas cheia de tesouros do nosso passado. O que me fez lembrar imediatamente dos cozinhados da minha mãe e avó. Muito cuidados, generosos e repletos de aromas e… amor. É incrível como a memória mexe connosco fisicamente. A fome cresce e o sorriso também, assim como as saudades 🙂

Entre os muitos pratos apelativos, decidi pelo Polvo à Lagareiro – afinal, um bom restaurante tem sempre de ter um bom Polvo à Lagareiro!

O aspecto é incrível mas acreditem que o sabor ainda o superava. Em cama de grêlos, este polvo estava cozinhado no ponto. Como brinde, tinha cebola frita no topo – uma perdição para mim! Para apreciadores de vinho, este também é o sítio certo. A garrafeira é composta pelos grandes nomes mas também por algumas revelações, aconselhadas prato a prato pelos simpáticos empregados.

E depois… as sobremesas. Quis escolher apenas uma para escrever sobre mas não consegui. Por isso sugiro duas:

O clássico Petit Gâteau, que se desfez por dentro assim que sentiu o garfo:

O surpreendente Mil-folhas de Morangos, estaladiço e com uma mistura de sabores de deixar água na boca: 

Este é daqueles para porem na lista e permanecer na memória. Fica na rua Francisco Relvas, em Odivelas. A sala não é grande e por isso aconselho uma reserva, sobretudo ao jantar. Partilhem a experiência com pessoas de quem gostem e, muito importante, levem muita vontade de comer bem!

Ah, e quando experimentarem, contem-me tudo 😉