O DIA MUNDIAL DA PAIXÃO… PELO CINEMA

O Dia Mundial do Cinema é, para mim, um dia mesmo especial. É o dia mundial de uma das minhas paixões – uma das que por um lado me “rouba” mais tempo mas por outro claramente uma das que mais me dá. Durante um filme não há mais nada, o mundo pára como se a sétima arte fosse sentido único da vida. Ver cinema é viver com os meus olhos uma realidade através dos de alguém que nos quer dizer alguma coisa. Está na altura de relembrar algumas das melhores histórias contadas em filmes que nunca vou esquecer. E sempre com pipocas na mão, claro! 😉

Um dos temas que mais me motiva a escrever aqui é precisamente o cinema. Contar-vos quais os filmes que mexem comigo, as melhores interpretações, histórias e produções, assim como dar-vos a minha perspectiva sobre os filmes do momento. E esta minha paixão reflecte-se na forma como escrevo, empolgada e por vezes talvez até romântica, admito! O último texto que escrevi sobre um filme (Joker) é um bom exemplo disso. Quando o filme me enche as medidas é quase inevitável sentar-me e escrever, escrever, escrever!

Há vários filmes que por vários motivos são alguns dos meus preferidos. E dentro desse grupo haverá sempre espaço para um ser especial: Pulp Fiction. Foi depois de ver esse filme pela primeira vez (nem vou dizer quantas vi para não parecer mal ahahah) que despertou em mim o gosto pelo cinema enquanto arte. Observar a forma diferenciada como Tarantino dirige dois gigantes como Samuel L. Jackson e John Travolta é delicioso. E, claro, a sua musa, Uma Thurman, que deixa a sua marca no filme através de uma agressividade artística impressionante!

Para além disto, é provavelmente o filme mais bem escrito que já vi: qualquer pequeno diálogo parece revestido a ouro e o tom com que a história é contada é incomparável a todos os outros filmes que já vi. Não é um filme para toda a gente, admito que não, mas é um dos melhores exemplos (para mim o melhor) de que fazer cinema… pode mesmo ser arte!

Já uns anos mais tarde, em 2011, fiquei encantado com Drive, com Ryan Gosling – que como já aqui disse várias vezes é um dos meus actores preferidos. É um Drama que conta a história de um duplo (condutor) de cinema que apesar de ser especialista a conduzir… acaba por ter de se superar também noutras actividades, digamos, complicadas.

É um filme com muita acção e que nos prende ao ecrã e, claro, vive muito da prestação quase intocável de Gosling – a transformação da personagem em função das circunstâncias dava praticamente uma masterclass para todos aqueles que querem ser actores em cinema 🙂

Muitos outros filmes me tocaram de forma especial mas muito provavelmente são estes dois aqueles que me saltam logo à memória quando penso em boas histórias, bem contadas e interpretadas pelos actores certos da maneira certa. São casamentos perfeitos de todas as variáveis que fazem de um filme… um grande filme!

Ah, e claro, não posso deixar de referir outro dos filmes da minha vida: aquele em que participei. “Quero-te tanto!” foi, espero eu, o primeiro de muitos. E recordar a construção de personagem do meu “Benedito” e o tempo que passámos a rodar o filme é sempre uma alegria enorme. Uma aprendizagem e um primeiro passo. Agora mais virão… 😉

Bons filmes! E não desistam de ver cinema. Em cada filme há uma mensagem para cada um de nós!

JM.