O FENÓMENO “CONAN OSÍRIS”

Fotografia: João Pedro Correia

 

Muito se tem falado, durante as últimas semanas, sobre Conan Osíris. A participação no Festival da Canção foi o início de uma grande onda de críticas: das muito boas às muito más. Afinal, qual a razão de todo este impacto? A minha opinião está aqui, sem filtros, no Pela Fechadura 🙂


Sinto que este é um daqueles casos em que faz todo o sentido citar Fernando Pessoa: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se”. Conheci pessoalmente o Conan Osíris no ano passado, durante o festival Paredes de Coura. Apesar de ter estado horas e horas a trabalhar em reportagens e directos para a TVI a partir do recinto, guardo na memória com clareza alguns momentos, e um deles é precisamente o da entrevista que lhe fiz. E uma coisa posso garantir-vos: este Conan que estamos a ver agora é exactamente igual àquele que eu entrevistei há um ano – não há nenhuma fabricação de personagem especificamente para o Festival da Canção. Arrojado e ímpar foram as duas principais características que lhe revi durante a entrevista. Mas também simpático e alegre. Mesmo não tendo falado mais com ele desde esse dia, as minhas impressões foram todas confirmadas por alguns amigos que temos em comum!

Durante o primeiro concerto que deu, no primeiro dia do festival, senti mixed feelings. Confesso que achei a música estranha… mas a cada minuto que passava gostava mais dessa estranheza! E a verdade é que passei boa parte das minhas férias de verão a ouvir algumas das músicas mais conhecidas dele, como “Celulitite” e “Adoro Bolos”. Mais do que apenas um cantor, Conan Osíris é também um excelente produtor musical, e por isso conseguiu criar um produto próprio, completamente diferente do de todos os outros músicos. As suas músicas misturam influências e raízes e talvez por isso são tão especiais. Hip-Hop, Metal, Fado e até ritmos orientais compõem as melodias que são depois preenchidas com uma voz de grande presença e letras suis generis mas com grande substância. Está, e ainda bem porque precisamos de gente com essa capacidade, fora de todos os parâmetros pelos quais o mercado da música normalmente se rege 😊

Dito tudo isto… Conan Osíris é afinal um génio ou vive apenas uma fase de afirmação pela diferença? Para a genialidade é preciso algo que ele ainda não pode ter porque só agora está a chegar com impacto ao povo português: consistência. Tem de ser consistente a surpreender o público e exímio no evoluir das suas capacidades. Mas que tem uma visão da música muito pessoal e desprendida de rótulos, tem. E para evoluir precisamos mesmo de pessoas assim. Não só na música mas em todas as áreas!

Ganhou hoje o Festival da Canção e fiquei feliz! Porque sinto que é o músico certo para nos representar num festival como o da Eurovisão, em que os factores de avaliação vão muito para além da música por si só. Agora estou a torcer por uma prestação que nos encha de orgulho! E acredito que é possível lutar pela vitória… 🙂

JM