O PARAÍSO NO PORTO SANTO

O título pode parecer excessivo… mas não é. Todos os momentos que passámos no Porto Santo foram muito muito bons e de certeza dos não deixar saudades e fazer ter… vontade de voltar. Foram lá os últimos momentos de férias antes de voltar ao trabalho e não nos arrependemos de ter feito esta escolha. A simpatia, a praia, a história e muitas actividades… todas aqui e agora! 🙂

Depois da atribulada – no mínimo 😂😂😂 – semana de férias na Sardenha, decidimos tentar de novo, desta vez em Portugal… não continental! Esta não foi a minha primeira vez no Porto Santo. Já lá tinha estado duas vezes, há muitos anos, em férias com os meus pais (e os meus pais repetirem um destino… é mesmo prova de que gostámos muito…!!). Entretanto os anos foram passando e eu, sempre com recordações das férias na infância, a pensar “em breve tenho de voltar”. E agora voltei! Até porque em conversas com amigos que foram recentemente todos me disseram maravilhas. Sobretudo o Lourenço Ortigão, que conhece a Madeira como ninguém e me deu “as” dicas 😉

Vou contar tudo com o maior detalhe possível porque há muuuita coisa boa a dizer, mesmo. Não me desiludiu em nada, e pelo contrário, só reforçou a boa imagem que já tinha 😉

Seria uma injustiça não começar por destacar a simpatia extrema de todos, sem excepção, os portossantenses com quem nos cruzámos. Desde funcionários do aeroporto, aos do hotel e a todos os que nos acompanharam ao longo da viagem em diversos momentos distintos: e foi isto que nos fez sentir bem logo quando chegámos, com um mood perfeito para férias mesmo para apreciar e relaxar. Outra das coisas que superou as nossas expectativas foram as paisagens incríveis – parece que tudo é bonito no Porto Santo! Destaco as vistas dos picos que são de cortar a respiração e aconselhamos a toda a gente (procurem pelos picos do castelo e do facho e vão perceber o encantamento!). E a praia, claaaaro, “a” praia de 9 quilómetros de areal e que tem a melhor cor e temperatura que já vi em Portugal. Se já estão com vontade de lá ir… esperem até ler tudo!

O INÍCIO…

Aterrámos na ilha na segunda-feira, dia 26 de agosto, e a ideia era descansar sem grandes limitações. Fomos directos para o hotel Pestana Ilha Dourada e estivemos por lá a conhecê-lo e a relaxar um pouco – sempre com a ajuda do staff em tudo o que precisávamos, cinco estrelas mesmo! Se é totalmente verdade que queríamos apenas descansar neste dia… também é verdade que o nosso espírito explorador falou, como habitualmente, mais alto! Então lá seguimos para o centro para ir sentindo o ambiente do Porto Santo. Demos uma volta e conhecemos a Igreja de Nossa Senhora da Piedade e tivemos o primeiro contacto com a praia. A ideia era mesmo só ir ver mas… mal pusemos o pé na água, já não conseguimos voltar para trás! Tínhamos ido ver o molhe principal da ilha e quando sentimos a água quentinha… decidimos ir mesmo para a praia. E atenção que não é mesmo uma praia banal: para além da água transparente e com uma temperatura espectacular, a areia também é especial – tem propriedades medicinais, sendo uma das razões pelas quais alguns turistas procuram a ilha. Confesso que não sabia, mas mais um ponto para o Porto Santo! Foi tudo meio inesperado nesta tarde, até porque os planos eram outros… mas foi óptimo! 🙂

No dia seguinte estivemos muuuuuuitas horas na praia – na brincadeira dizíamos que tínhamos de passar muito tempo na praia porque havia 9 quilómetros de areia para conhecer e não queríamos perder pitada! – e fizemos um almoço tardio bem típico de férias! Foi no restaurante João do Cabeço – onde eu e os meus pais íamos várias vezes – e para comer o verdadeiro prego no bolo do caco. Se nunca provaram, façam por isso, é delicioso!! E não há igual ao que fazem aqui, não me perguntem como porque não sei, mas juro que é assim! Para fechar em beleza, ainda fomos fazer um passeio de buggy para ver o pôr-do-sol no Miradouro das Flores. Se toda a viagem até lá e a vista não fossem suficientemente bons para convencer alguém (impossível…), o passeio também tinha incluindo um brinde com queijo e vinho, literalmente enquanto o sol se punha. Para completar este cenário mágico, tivemos a sorte de ter connosco um guia que amava a sua ilha e nos contou vários dos segredos desta ilha encantadora. Foi um fecho de dia perfeito.

Os outros dias foram repletos de praia (é impossível passar lá um dia sem sentir aquela água do mar no corpo), tours com várias actividades e bons restaurantes, claro. Para que não falhe nada fiz um besto of para todos aqueles que quiserem ter a verdadeira experiência total da ilha 🙂

BEST OF  PORTO SANTO!

Experiências e Tours…

Porto das Salemas, Porto das Salemas, Porto das Salemas! Não, não foi o teclado que encravou, sou só eu a querer dizer-vos que foi do melhor que vimos no Porto Santo. Só nos últimos dois dias lá conseguimos ir e arrependemo-nos de não ter ido mais cedo. Lá podem ver piscinas naturais de encher o olho e alma de tanta cores que têm. Como comentei quando lá cheguei…”é absurdo de bonito!” 😉

Fizemos uma Jeep tour pela ilha que aconselhamos muito! Numa manhã mostraram-nos vários pontos da ilha e ficámos com uma boa ideia geral do que lá podemos encontrar – e faz toda a diferença que seja de Jeep porque há zonas na ilha que vale a pena visitar mas que de carro… não é tão fácil! Vimos os picos do facho e do castelo – que têm paisagens inacreditáveis; a pedreira da Ana Ferreira, que tem formações geológicas originadas, há muitos anos, pela lava; um mini parque Zoológico com animais invulgares mas que vale sempre a pena ver; uma casa rural antiga, que mostra como viviam os nossos antepassados e até um pequeno deserto!! Uma tour (que marcámos com a Dunas Travel Agency) em que para além de ver todos estes pontos de interesse nos explicaram o porquê de serem marcos da ilha!

O passeio de lancha foi outro dos momentos mais emocionantes – até porque tem adrenalina de sobra! É imperdível porque nos deu uma noção diferente de vários locais da ilha… mas do lado do mar. E podem sempre ter a sorte de ver golfinhos e até baleias. Nós fomos incrivelmente sortudos e vimos muitos golfinhos – nadavam e saltavam mesmo ao lado da lancha, foi lindo! No seguimento do percurso vimos ainda de perto o famoso ilhéu da cal, onde viviam os antigos mineiros que trabalhavam na exploração da cal e passámos por uma zona de grutas onde fizemos snorkeling, até porque nunca é demais mergulhar naquelas águas 🙂 Depois disso deram-nos um miminho que soube muito bem: vinho do porto santo com broas de mel de cana (ÓPTIMASSSSSS)! Antes de regressar à marina ainda vimos a praia do zimbralinho, uma daquelas praias perfeitas para fotografar, e passámos ao largo do ilhéu do farol. Vale totalmente o dinheiro até porque com tudo o que os guias nos vão dizendo aprendemos imenso… por isso tenham coragem e façam!

Fomos ao miradouro da portela e vimos não só a vista muito bonita para o mar e sobre a cidade como os famosos moinhos de vento. São três e chamam a atenção de qualquer turista. Este é mesmo daqueles pontos a não falhar. Um clássico portanto 🙂

Visitámos a Calheta, uma das pontas da ilha, e vimos uma zona no mar em que duas correntes convergentes se encontram, criando uma paisagem marítima diferente do habitual! Falaram-nos de fazer praia ali… mas como também disseram que podia ser perigoso não arriscámos – até porque ainda havia muito na ilha para visitar! Vale a pena lá ir se se estiver por perto.

Para comer e beber!

João do Cabeço – Restaurante famoso pelo seu prego em bolo do caco e pelas lapas. E não desilude!

Casa D’Avó – Para além do prego e lapas (que repetimos várias vezes em sítios diferentes) também provou ter bom peixe. Gostámos e repetíamos. 😉

Tia Maria – Perfeito para lanchar e provar, como nós provámos, a poncha de maracujá. A não perder até pelo cenário idílico em que está inserido!

 

Torres – Este restaurante foi sugerido pelo amigo Lourenço Ortigão (o experiente na ilha!) e também gostámos. Aproveitámos a localização perto do aeroporto e no dia de regressar, não falhámos. Também recomendamos 🙂

Panorama – Apesar de não termos conseguido lá ir, recomendamos pela vista que tem. Só vimos umas fotografias e parece espantosa. Menção honrosa por isso 😉

Conclusão: quase tudo o que correu menos bem na Sardenha correu bem no Porto Santo. E nós adorámos cada minuto 😊

JM.