UM PULMÃO A ARDER

A Amazónia, no Brasil, está a arder. O que por si só já seria mau caso estivéssemos a falar apenas de causas absolutamente naturais. O pior é que não são apenas essas as causas, e as consequências podem ser devastadoras. Não só para o Brasil, mas sim para o mundo inteiro.

Ainda há poucos dias escrevi sobre a preservação do ambiente – ou neste caso sobre a não preservação… – e agora somos todos confrontados com as notícias surreais sobre o que se tem passados nas últimas semanas na Amazónia. Durante os últimos 17 dias já arderam milhares de hectares nesta zona que é uma pérola do nosso país irmão.

A desflorestação é uma das principais ameaças à nossa existência tal e qual como a conhecemos: nossa e dos animais e plantas, tão importantes para que o nosso ecossistema funcione em pleno. Por muito que tenha de ser respeitada a soberania brasileira no que toca à gestão deste seu território, a tragédia que estamos a presenciar é na verdade devastadora para todo o mundo, para o planeta Terra. A Amazónia é um dos nossos pulmões, e por isso ninguém pode pactuar com a neglicência que parece estar a existir perante a situação. Tal como li algures, temos de tomar conta da Terra porque não existe planeta B.

A arder a este ritmo, a Amazónia não nos conseguirá dar aquilo que naturalmente tem para dar. E sem isso… nós não somos nada. Cada um tem a missão de pelo menos espalhar a mensagem: é preciso defender o que é nosso, independentemente de todas as forças que possam existir por trás, políticas e/ou sociais.

Este texto não tem nenhum objectivo político específico. Apesar de achar que politicamente muito pouco está a ser feito pelo governo do Brasil para controlar esta situação e evitar outras semelhantes, o que me preocupa seriamente é mesmo a pegada ecológica. Até porque desde o início deste ano os incêndios florestais no País já aumentaram mais de 80% – mais uma vez digo: surreal.

Por fim… não me sai da cabeça um vídeo, que entretanto se tornou viral, de uma mulher indígena que perante o fogo… desabafa o que lhe vai na alma. Que tenham todos força e consigam resistir o mais possível… para que possam ajudar a defender-nos a todos.

JM.